Ministério Público investiga corrupção em coleta de lixo no interior do Espírito Santo

A Operação “Varredura”, no Ministério Público, que investiga fraudes em contratos no setor de coleta e tratamento de lixo em municípios do Espírito Santo, teve a 3ª fase deflagrada na manhã desta terça-feira (26).

São cumpridos sete mandados de busca e apreensão para apreender documentos, computadores, mídias e outros equipamentos. O objetivo é apurar a suspeita de crimes de corrupção ativa e passiva, peculato, formação de quadrilha, fraude à licitação, tráfico de influência, dentre outros.

Veja mais sobre a Operação Varredura

Operação que investiga corrupção em coleta de lixo tem 3ª fase — Foto: Divulgação/ MP-ES
Operação que investiga corrupção em coleta de lixo tem 3ª fase — Foto: Divulgação/ MP-ES

Durante a investigação, que começou em 2016, o Ministério Público identificou fraude nas licitações para que determinadas empresas assinassem contratos emergenciais com as prefeituras.

Há indícios de que as empresas combinavam quais delas sairiam vencedoras das licitações em determinadas áreas do estado.

Operação que investiga corrupção em coleta de lixo tem 3ª fase — Foto: Divulgação/ MP-ES
Operação que investiga corrupção em coleta de lixo tem 3ª fase — Foto: Divulgação/ MP-ES

Primeira fase

A primeira fase da Operação Varredura aconteceu no dia 29 de agosto de 2017. Os alvos da ação são as fraudes em contratos emergenciais que somam cerca de R$ 60 milhões para a coleta de resíduos sólidos.

Foram cumpridos 12 mandados de buscas e apreensões e três mandados de conduções coercitivas nos municípios de São Mateus, Jaguaré, São Gabriel da Palha e Vila Velha.

Segunda fase

A segunda fase da operação aconteceu no dia 31 de agosto do mesmo ano, em Ponto Belo, Baixo Guandu e São Gabriel da Palha.

Foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão, cinco de conduções coercitivas e dois de prisão preventiva. Um empresário foi preso em São Gabriel da Palha. Veja aqui