Apesar dos times capixabas não disputarem a primeira divisão do Campeonato Brasileiro desde a década de 1990 -a última participação foi da Desportiva Ferroviária em 1993 -, os clubes capixabas possuem a tradição de revelar grandes craques e também de contratar nomes importantes do futebol brasileiro e mundial.

Um dos exemplos é o atacante Loco Abreu, recém contratado pelo Rio Branco para disputar o Capixabão 2019. O jogador, que se tornou ídolo do Botafogo e Seleção do Uruguai, se une a nomes como Garrincha, Aldair, Sávio, Geovane, Túlio Maravilha e Washington, para compor uma verdadeira seleção de craques que já defenderam os principais times do Espírito Santo.

Confira a lista com 10 craques que já defenderam times capixabas 

Garrincha – Considerado um dos maiores jogadores de futebol de todos os tempos, e o mais célebre ponta-direita da história, o “anjo das pernas tortas” vestiu a camisa do Alegrense Futebol Clube em 1972 durante uma partida amistosa contra o Estrela do Norte, clube de Cachoeiro de Itapemirim. O craque, que ficou em campo pouco mais de 60 minutos, não fez gol, nem mesmo realizou uma grande atuação, mas saiu do gramado com a vitória por 3 a 1.

Aldair – Tetracampeão com a Seleção Brasileira na Copa de 1994, onde foi inclusive apontado como um dos melhores zagueiros do mundial, Aldair defendeu times com o Flamengo, sendo campeão da Copa União em 1987, Benfica e Roma, onde atuou entre 1990 e 2003. Antes de anunciar a aposentadoria, atuou pelo Rio Branco pela segunda divisão do Campeonato Capixaba de 2005. O craque jogou em apenas dois jogos, mas ajudou a equipe a garantir o título do torneio.

Túlio Maravilha – Três vezes artilheiro do Campeonato Brasileiro de Futebol da Série A (1989, 1994 e 1995), único jogador do futebol brasileiro a ter sido artilheiro em três divisões do futebol nacional e um dos poucos jogadores da história a ter superado a marca de 1000 gols na carreira (apesar de não haver registro oficial),  o atacante chegou ao Campeonato Capixaba em 2013 para ser a estrela do VilaVelhense. Foram apenas cinco partidas pelo clube, mas foi nele que marcou o gol 999, denominado pelo próprio jogador como “gol moqueca”.

Andrade – Campeão da Libertadores da América e Mundial pelo Flamengo, sendo inclusive um dos principais nomes do elenco, que tinha grandes craques  como Zico, Júnior, Adílio, Nunes e Mozer, o meio atuou pela Desportiva Ferroviária em 1992, contribuindo para o título capixaba daquele ano.

Washington – Centroavante ágil e com “faro de gol”, Washington fez ao lado de Assis, no Fluminense, uma das maiores duplas da história do futebol brasileiro. Em 1992, ao disputar o Campeonato Capixaba pela Desportiva Ferroviária, com o craque Andrade também fazendo parte do time, foi artilheiro da competição com 9 gols.

Fio Maravilha – Eternizado pela música de Jorge Ben Jor, que apresentava os versos “Fio maravilha, nós gostamos de você/ Fio maravilha, faz mais um pra gente vê”, o atacante, que se tornou o “queridinho” da torcida do Flamengo entre as décadas de 1960 e 1970, onde marcou 44 gols, também disputou o Campeonato Capixaba pela Desportiva Ferroviária. A passagem aconteceu em 1977, na primeira vez que o clube capixaba disputou o Campeonato Brasileiro.

Geovani Silva- O jogador, que iniciou a carreira aos 16 anos pela Desportiva, se firmou no futebol ao se transferir para o vasco em 1983. Ao lado de craques como Romário e Roberto Dinamite, disputou 408 jogos e marcou 49 gols, chegando inclusive a Seleção Brasileira. Além disso, atuou na Europa (Bologna e Karlsruher SC) e defendeu no Espírito Santo os times do Serra, Rio Branco, Tupy e Bologna e Karlsruher SC.

Sávio – Nascido em Vila Velha, Sávio se tornou, durante a década de 1990, um dos principais ídolos do Flamengo. O jogador inclusive fez parte do “melhor ataque do mundo”, que em 1995, ano do centenário do clube, era formado pelo capixaba, Romário e Edmundo. Ele também fez sucesso no futebol espanhol, onde atuou pelo Real Madrid, Real Zaragoza, Real Sociedad e Levante. Em 2008, retornou ao futebol capixaba para defender a Desportiva Ferroviária.

Ézio – O centroavante, que chegou ao Fluminense em 1991, logo se tornou ídolo da torcida e o principal artilheiro do clube, onde permaneceu até 1995. Neste período, atuou em 236 jogos e marcou 118 gols. Chamado de “Super Ézio” pelo torcida, defendeu o Rio Branco em 1998.

Hiran – Revelado pelo Linhares, durante o ótimo desempenho do time na Copa do Brasil em 1994, onde foi semifinalista, o goleiro teve passagens de destaque pelo Guarani(SP), Atlético Mineiro, Internacional e Ponte Preta. Em 2010, retornou ao Linhares e ainda defendeu os times do São Mateus, Aracruz e Colatina.