Foto: Jeff Mill / Hearst Connecticut Media /

Nesta sexta-feira, 28 de dezembro de 2018, o Departamento de Polícia da cidade de Cromwell, no Estado de Connecticut, nos Estados Unidos, e a chefe Denise Lamontagne, deram as boas-vindas ao novo oficial da cidade, Ramon de Almeida Lima.

Aos 33 anos de idade, Ramon Lima, que é natural de Barra de São Francisco, foi nomeado policial de Cromwell. Foi um momento importante para o francisquense Ramon, bem como um exemplo clássico de alguém que vive o sonho americano.

O pai de Ramon, Nivaldo Carneiro Lima, também era um policial em Barra de São Francisco, mas foi assassinado quando voltava para casa depois de completar um turno. Ele tinha sido destacado para trabalhar em Vila Poranga / Barra de São Francisco, quando crime aconteceu. Esse ato brutal colocou em movimento a série de eventos que levaram Ramon se mudar para os Estados Unidos em busca de uma boa educação e uma chance de ter uma vida melhor.

Foto: Jeff Mill / Hearst Connecticut Media /

Ramon Lima trabalhou para se tornar um cidadão americano, casou-se e tornou-se um instrutor de combate corpo-a-corpo na Academia de Polícia de Nova Jersey. Quando ele e sua esposa decidiram ter um filho, eles embarcaram em uma busca por lugares com bons sistemas de educação para sua filha Emily, agora com 7 meses.

Sua busca levou-os a Cromwell, onde Ramon se candidatou para se tornar um policial. No final da manhã de sexta-feira, ele alcançou seu objetivo. Ele foi empossado pela escrivã municipal Joan Ahlquist e teve seu distintivo preso em seu paletó pela chefe da polícia Denise Lamontagne.

A cerimônia aconteceu no átrio da Prefeitura, diante de uma mistura de policiais e funcionários da prefeitura. Na segunda-feira, ele inicia um treinamento intensivo de seis meses na Academia Municipal de Polícia, em Meriden.

O prefeito Enzo Faienza recebeu Ramon em Cromwell, elogiando a ele e a todos os socorristas, policiais, bombeiros e ambulâncias que servem a comunidade. “Você é nossa primeira linha de defesa“, disse ele.

Em seguida, observando que “a aplicação da lei é uma tarefa difícil”, Faienza acrescentou: “Que Deus o abençoe e cuide de sua família”.

Quando chegou sua vez de falar, Ramon Lima disse: “Este é um momento muito especial para mim – e também muito emocionante“. Sua voz grossa de sentimento, Ramon agradeceu a Lamontagne e ao capitão Kevin A. VanderSloot pelo apoio, acrescentando: “Todo mundo tem sido ótimo para mim”.

Estou ansioso para fazer parte da equipe e aprender com todos vocês. Eu realmente agradeço essa oportunidade”, disse Ramon, que cresceu em Barra de São Francisco, no interior do Espírito Santo.

Ele tinha 7 anos quando seu pai foi assassinado e a mãe, Sônia de Almeida Lima, criou Ramon sozinha. Ele foi para os Estados Unidos aos 17 anos de idade. Sua mãe, que é irmã do ex-vereador Auribes José de Almeida, mora hoje em Água Doce do Norte.

Foto: Jeff Mill / Hearst Connecticut Media /

Ele também permaneceu decidido a se tornar um oficial. “Tenho 33 anos e isso significa que eu estava atingindo o limite para me tornar um oficial em Nova Jersey“, disse ele. Além disso, ele e sua esposa Juliana, uma enfermeira, “queriam um lugar melhor, um lugar para um sistema escolar melhor” para criar a filha.

Enquanto procuravam: “Eu estava ouvindo sobre Cromwell, sobre o sistema escolar deles. E eu vi que eles estavam contratando, então eu me candidatei”.

Lamontagne disse que não se envolve normalmente com candidatos que estão sendo testados para um lugar na força. No entanto, de vez em quando, “aleatoriamente sento-me em uma mesa oral”, e aconteceu no dia em que Lima estava sendo entrevistada.

Fiquei muito impressionado“, disse o chefe. Ramon Lima surgiu como o número 1 na lista de candidatos. “Eu realmente aprecio ele“, disse Lamontagne.

Com informações de Jeff Mill / middletownpress
O repórter Jeff Mill cobre East Hampton, Cromwell e Portland para a Middletown Press.
Link para matéria em inglês no site middletownpress