Há relatos de que 30 tiros foram disparados no bar onde acontecem shows de música ao vivo. Entre os feridos está um delegado mobilizado para atender a ocorrência.

Polícia bloqueia cruzamento nas proximidades de bar onde tiroteio deixou feridos, em Thousand Oaks, Califórnia — Foto: KABC via AP

Um atirador invadiu um bar na cidade de Thousand Oaks, no sul da Califórnia, nos Estados Unidos, na noite de quarta-feira (7). Onze pessoas ficaram feridas, entre elas, um delegado acionado para atender a ocorrência.

Um policial afirmou ao jornal “Los Angeles Times” que pelo menos 30 tiros foram disparados no local por volta das 23h de quarta-feira (5h30 desta quinta-feira, no horário de Brasília). Ainda não está claro se o atirador está entre os feridos ou foi detido. Mas o xerife Garo Kuredjian afirmou que não há riscos para a vizinhança.

Imagem aérea mostra a mobilização da polícia perto de um bar onde ocorreu um tiroteio em Thousand Oaks, na Califórnia  — Foto: KABC via AP
Imagem aérea mostra a mobilização da polícia perto de um bar onde ocorreu um tiroteio em Thousand Oaks, na Califórnia — Foto: KABC via AP

Um homem que estava na frente do estabelecimento com pelo menos 15 amigos contou que o atirador entrou no bar e começou a fazer os disparos na direção do teto. O suspeito chegou a gritar alguma coisa, mas a testemunha não conseguiu ouvir o que ele disse.

Cenas de pânico foram relatadas por quem estava no bar. As pessoas tentaram fugir pelas janelas e se esconder no banheiros.

Carros da polícia e várias ambulâncias foram mobilizados. Ainda não se sabe o estado de saúde das vítimas.

 Tiroteio na Califórnia — Foto: Juliane Monteiro/G1

Borderline Bar & Grill, bar onde o incidente ocorreu, organiza shows de música ao vivo. Na noite de quarta, estava agendado um evento era para estudantes universitários, com mais de 18 anos, de acordo com o “Los Angeles Times”.

A cidade de Thousand Oaks fica a cerca de 40 km a oeste de Los Angeles.

Tiros Califórnia — Foto: Reprodução/GloboNews
Tiros Califórnia — Foto: Reprodução/GloboNews

Fonte: G1