Depois da punição  e remoção  anunciada pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP),   informando que o fato se deve a identificação de três problemas na conduta profissional do promotor  identificando três problemas  “atraso sistemático e significativo” no trabalho e na movimentação de processos ,  “manifestações de populares” contra ele e, ainda, a “retenção” de um processo criminal por mais de oitos anos,  o Promotor de Justiça do Ministério Público do Espírito Santo  (MPES), Izaias Antônio de Souza, da Promotoria de Mantenópolis, respondeu  através de uma Nota Pública  esclarecer todos os detalhes e os fatos   “Estarei mostrando para a sociedade o que existe no submundo do poder público”.

NOTA PÚBLICA:

UM HOMEM PÚBLICO NÃO PRECISA DEIXAR SUCESSO NA SUA HISTÓRIA. MAS PRECISA DEIXAR HISTÓRIA NA SUA VIDA.

Meus amigos.

Hoje foi julgado no CNMP um processo que tramita desde 24/10/2016, no qual foi requerida a minha remoção compulsória da comarca de Mantenópolis.

Neste período fui instado a pedir minha remoção voluntária e evitar o processo, mas sempre me recusei porque não sou homem e nem profissional que negocie imoralidades.

O processo se iniciou no CSMPES, mas a totalidade dos membros daquele órgão estadual estavam impedidos legalmente ou se declaram impedidos por motivos que desconheço.

Alegando demora, o CNMP avocou o processo onde está desde 14/06/2017, com sucessivos adiamentos de julgamento, de forma que a demora do CNMP já é maior que a alegada demora do CSMPES.

Hoje o julgamento já perdeu seu objeto pois, de fato, já saí de Mantenópolis e do serviço público, pois seja por tempo de contribuição ou por invalidez, o meu futuro tem que ser a aposentadoria.

A grande maioria dos fundamentos apontados no processo são decorrentes de falsos testemunhos, inclusive de Promotor de Justiça e Juiz de Direito do Estado do Espírito Santo. Afirmo e reafirmo isso, porque tenho tudo documentado e será levado ao conhecimento público.

Estarei mostrando para a sociedade o que existe no submundo do poder público.

Levarei a público todas as informações importantes, porque o meu lema de trabalho nos meus 24 anos de MPES sempre foi “TER RESPOSTA PARA TODAS AS PERGUNTAS QUE ME FIZEREM E NÃO ME ENVERGONHAS DELAS”.

Como já noticiei várias vezes e afirmei acima, muito dificilmente poderei reassumir a função de Promotor de Justiça. Estarei me aposentando, ou por tempo de contribuição ou por invalidez, porque o esforço desumano que tive que fazer ao longo de 24 anos, enfrentando as mais diversas barreiras de acessibilidade, estouraram as articulações de meus ombros.

Fiz uma cirurgia do ombro esquerdo há quatro meses, mas até o momento apenas fez cessar as dores intensas que eu sofria, pois a recomposição da força muscular ainda não teve evolução nenhuma. Não há previsão ainda quanto ao que fazer em relação ao ombro direito onde as lesões são ainda mais graves.

Mantenópolis é o único município do BRASIL em que todos os prefeitos que exerceram seus mandatos desde 1993 a 2012 foram condenados por improbidade administrativa e estão impedidos de concorrer a eleições, além de dezenas de outras pessoas servidores públicos ou não.

A “PODRIDÃO” que o Brasil conhece hoje através da operação Lava Jato, eu combato há 24 anos.

Tenho muitos amigos Juízes de direito, que são grandes e honrados profissionais, mas tenho também inimigos Juízes de Direito e Promotores de Justiça, pois nunca tive a covardia de não defender a sociedade contra atos ilegais e imorais praticados por tais profissionais.

E toda a sociedade de Mantenópolis e Alto Rio Novo é minha testemunha.

Há muitos anos sou considerado um incômodo para vários setores dos poderes estaduais e municipais e é claro que isso é muito ofensivo para as autoridades omissas e até imorais que se sentem no direito de ser corruptas.

Por várias vezes a minha “cabeça” foi colocada à venda e, portanto, encerrar a minha carreira vivo, foi o maior milagre ocorrido. E eu nunca tive dúvidas deste milagre porque o dono de minha vida é aquele que a criou, o grande e poderoso DEUS que nunca me desamparou.

Esta é apenas uma primeira divulgação, mas doravante toda podridão que sempre combati no meu ministério será levada ao conhecimento da sociedade da qual sempre recebi todo apoio e carinho.

“Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito”. Romanos 8.28

“Seus discípulos lhe perguntaram: “Mestre, quem pecou: este homem ou seus pais, para que ele nascesse cego? Disse Jesus: “Nem ele nem seus pais pecaram, mas isto aconteceu para que a obra de Deus se manifestasse na vida dele. João 9:2,3

Foto: Sérgio Almeida (Ascom/CNMP)

CNMP decide pela remoção compulsória de promotor de Justiça do MP/ES

O Plenário do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) decidiu nesta terça-feira, 20 de março, durante a 5ª Sessão Ordinária de 2018, pela remoção compulsória do promotor de Justiça do Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MP/ES) Izaias Antônio de Souza da Promotoria de Justiça de Mantenópolis. Os conselheiros determinaram, também, que seja instaurada reclamação disciplinar para que a Corregedoria Nacional do Ministério Público acompanhe, por um ano, a atuação do promotor na nova comarca.

O CNMP avocou representação por remoção compulsória que estava em tramitação no MP/ES. De acordo com o conselheiro-relator do processo, Luciano Nunes Maia, há a necessidade de remoção compulsória do promotor de Justiça Izaias de Souza, em virtude dos seguintes fatos: a) atraso sistemático e significativo na movimentação de processos judiciais e extrajudiciais; b) a retenção, por mais de oito anos, de autos de processo criminal em que a autoridade judiciária havia rejeitado a denúncia, com o intuito de dar “sobrevivência” ao processo contra os denunciados, aguardando que se pudesse colher maiores elementos de prova em processo de improbidade administrativa instaurado contra os mesmos envolvidos; e c) a manifestação de populares contra o promotor.

O conselheiro Luciano Nunes destaca que “a morosidade injustificada na instrução de processos judiciais e extrajudiciais pelo requerido afronta o interesse público, haja vista que viola os princípios da legalidade, eficiência e razoabilidade”.

Além disso, salienta o conselheiro, há indícios que indicam um clima de desarmonia entre o promotor de Justiça, a comunidade e as autoridades da cidade de Mantenópolis, “o que, de fato, compromete o interesse público, ainda mais se tratando de uma comarca (de vara única) com pouco mais de 15 mil habitantes, onde o membro do MP atua por mais de 20 anos”, concluiu o conselheiro.

Processo: 1.00753/2-17-07 (procedimento avocado).