A cachaça capixaba Princesa Isabel Aquarela, fabricada no município de Linhares, norte do Estado, garantiu o primeiro lugar na linha branca do produto, no 3º Ranking da Cúpula da Cachaça, que elegeu as 50 melhores do Brasil, publicado no jornal Estadão, de São Paulo.

Adão Célia, produtor da Princesa Isabel, afirmou que o primeiro lugar no ranking consolida uma série de premiações que o produto vem recebendo, inclusive internacionalmente. A cachaça linharense, nos últimos anos, angariou colocações significativas para o Espírito Santo na Expo Cachaça, também em São Paulo, na Alemanha e em Londres, na Inglaterra.

A cachaça Princesa Isabel é produzida no distrito de Desengano, interior de Linhares

“A linha branca é muito disputada e estamos muito felizes, não só pelo reconhecimento do nosso trabalho, que é fruto de uma estrutura moderna, uma assessoria especializada, boas prática no manejo da matéria prima, a nossa cana de açúcar, como também, é destaque para a nossa cidade. Esse prêmio é de Linhares”, afirmou.

Para Franco Fiorot, secretário de Agricultura de Linhares, o município possui produtos de qualidade, que correspondem às linhas criteriosas de avaliação nacional e internacional de produção, como o cacau/chocolate, água de coco, cachaça, macadâmia, peixe e mamão, por exemplo.

Segundo ele, o apoio que a pasta oferta aos produtores é de fundamental importância, pois viabiliza condições de adesão ao programa, oferece suporte nas ações e projetos de desenvolvimento dos produtos e, com isso, possibilita a ampliação das atividades no comércio, além das fronteiras estaduais e também internacionais.

“Nossa proposta de trabalho, alinhada com a gestão municipal desde o início de nossos trabalhos, visa, dentre outros projetos, incentivar e criar em nosso município uma cultura forte de comércio exterior para conquistar nosso lugar ao sol neste mundo integrado que vivenciamos. Estamos muito felizes com os resultados dos produtores que aderiram ao nosso planejamento e o nosso intuito é avançar ainda mais, nos índices econômicos e sociais das cadeias produtivas do Agro Linhares”, destacou Franco.

Célia pontuou que a Prefeitura de Linhares tem feito um trabalho integrador de grande importância para conquista desses méritos. “A atual administração, através da secretaria de Obras, tem mantido as estradas bem conservadas, o Turismo, o Desenvolvimento e a Agricultura têm fortalecido e estimulado o agroturismo e eu estou apostando muito nesse modelo de gestão integrada de apoio”, finalizou.

O ranking

A Princesa Isabel é produzida no distrito de Desengano, interior de Linhares e o produto avaliado está classificado na categoria madeira/três anos/Jequitibá. O 3º Ranking da Cúpula da Cachaça que elegeu as 50 melhores do Brasil foi publicado na edição desta quarta-feira (31), no jornal O Estadão – de São Paulo (SP). A cachaça foi classificada em 1º lugar na linha branca, com nota 82,17 e avaliação descrita como de “excelente exemplo de branca complexa, com aroma herbáceo e frutado”.

Veja o ranking das 14 melhores cachaças na categoria branca

1 – Princesa Isabel Aquarela
Excelente exemplo de branca complexa, com aroma herbáceo e frutado.
Onde: Linhares (ES)
Nota: 82,7
Madeira: 3 anos Jequitibá
Preço: R$ 64,25 (750 ml)

2 – Sanhaçu Freijó
Com ótima viscosidade, esta cachaça traz a madeira bem trabalhada, que aparece de forma suave. Agrada iniciados e iniciantes.
Onde: Chã Grande (PE)
Nota: 76
Madeira: 2 anos no freijó
Preço: R$ R$ 94,25 (600 ml)

3 – Tiê Prata
Tem sabor marcante e é muito equilibrada. Vai bem pura ou em drinques.
Onde: Aiuruoca (MG)
Nota: 74
Preço: R$ 50,75 (670 ml)

4 – Século XVIII Rótulo Azul
Uma cachaça forte, com boa expressão de fruta da cana-de-açúcar. É garantia de uma experiência agradável.
Onde: Cel. Xavier Chaves (MG)
Nota: 72,9
Madeira: Inox
Preço: R$ 89,90 (670 ml)

5 – Volúpia Freijó
Com álcool suave, tem perfume agradável de madeira e sabor herbáceo marcante. Perfeita para iniciantes do estilo.
Onde: Alagoa Grande (PB)
Nota: 72,23
Madeira: 1 ano no Freijó
Preço: R$ 50,75 (670 ml)

6 – Engenho São Luiz Amendoim
Onde: Lençóis Paulista (SP)
Nota: 72,17
Madeira: seis meses no amendoim
Preço: R$ 58 (600 ml)

7 – Reserva do Nosco Prata
Onde: Resende (RJ)
Nota: 70,8
Preço: R$ 71,05 (700 ml)

8 – Serra Limpa
Onde: Duas Estradas (PB)
Nota: 70,5
Madeira: 6 meses em freijó
Preço: R$ 36,25 (355 ml)

9 – Coqueiro Prata
Onde: Paraty (RJ)
Nota: 68,2
Madeira: 2 anos amendoim
Preço: R$81,20 (700 ml)

10 – Da Quinta Branca
Onde: Carmo (RJ)
Nota: 67,9
Madeira: Inox
Preço: R$ 69,60 (500 ml)

11 – Caracuípe Prata
Onde: Campo Alegre (AL)
Nota: 67,7
Madeira: 6 meses no jequitibá
Preço: R$ 108,75 (750 ml)

12 – Nobre
Onde: Sobrado (PB)
Nota: 66,5
Madeira: inox
Preço: R$ 79,75 (500 ml)

13 – Engenho Pequeno
Onde: Pirassununga (SP)
Nota: 65,7
Madeira: 2 anos no jequitibá rosa
Preço: R$ 74,40 (750 ml)

14 – Sebastiana Cristal
Onde: Américo Brasiliense (SP)
Nota: 61,7
Madeira: 3 meses inox
Preço: R$ 55,10 (500 ml)

* Nos produtos onde havia conflito de interesse da parte do jurado, por este ter participação na elaboração da cachaça, as suas notas nos respectivos produtos foram desconsideradas pelo estatístico.

* Preços checados na Rota do Acarajé em janeiro de 2018