SiteBarra+Barra+de+Sao+Francisco+Sem título-20Uma lista do Tribunal de Contas do Estado (TCE), com gestores com julgamento de contas por irregularidade, conta com 222 nomes.

Fazem parte do grupo, agentes políticos com e sem mandato, entre eles, vereadores, prefeitos e até deputados.

Os nomes constantes da relação não são automaticamente inelegíveis, mas podem ser enquadrados pela Justiça Eleitoral como “fichas sujas”.

Entre esses vários nomes consta o do ex-prefeito de Barra de São Francisco, Edinho Pereira, o Bigodão. O nome de Edinho aparece na listagem do TCE seis vezes.

Também ex-prefeito de Barra de São Francisco, José Honório Machado aparece na lista.

 

Outro ex-prefeito que aparece na lista é Waldeles Cavalcante (PSC). 

Figura na lista ainda o ex-vereador de Barra de São Francisco, Adilton Gonçalves (PMDB). O nome dele aparece duas vezes e por este motivo também pode estar impossibilitado de se candidatar.

Veja aqui a lista completa

Cidades da região

SiteBarra+Barra+de+Sao+Francisco+Sem título-30O ex-prefeito de Mantenópolis, Ernesto Paizante Pereira, também aparece na lista.

Outro que pretende ser candidato e aparece na lista é Abraão Lincon Elizeu, ex-prefeito de Água Doce do Norte.

Ivan Lauer, ex-prefeito de Vila Pavão, é outro que figura a lista.

Entre os gestores com mandato, aparecem na lista os atuais prefeitos Jander Nunes Vidal (PSDB), de Marataízes; Rogério Cruz Silva (PDT), de Iúna; Pedro Costa Filho (PT); de Ecoporanga; e Esmael Nunes Loureiro (PMDB), de Sooretama.

A relação conta ainda com uma dezena de ex-prefeitos ou vices, alguns deles são pré-candidatos no pleito deste ano, como Jorge Anders (Vila Velha), Lastênio Cardoso (Baixo Guandu), Vilsimar Batista Ferreira (Marataízes) e Lauriano Marco Zancanela (São Mateus).

Também completam a relação, integrantes do primeiro escalão do governo Paulo Hartung (PMDB), como os secretários de Ciência e Tecnologia, Guerino Balestrassi (PSDB), que é ex-prefeito de Colatina; de Transportes e Obras Públicas, Paulo Ruy Carnelli; e a diretora do Instituto Estadual do Meio Ambienta (Iema), Sueli Tonini.

Ao todo, foram relacionadas 232 responsáveis, alguns com mais de uma condenação, sendo 222 pessoas físicas e mais dez pessoas jurídicas.

De acordo com informações do TCE, a relação de gestores com contas julgadas irregulares é atualizada constantemente – o documento mais recente foi publicado nessa quinta-feira (3). Novos nomes podem ser incluídos devido a novas decisões da Corte ou decisões judiciais, considerando os últimos oito anos. Para os condenados serem enquadrados como “ficha suja”, a legislação eleitoral obriga que as contas tenham sido rejeitadas por irregularidade insanável que configure ato doloso de improbidade administrativa, ou por decisão irrecorrível do órgão competente.