Brazil's Neymar, center, is tackled by Honduras' Arnold Peralta, left, and Honduras' Jose Mendoza, right, during the quarterfinal men's soccer match between Brazil and Honduras at the London 2012 Summer Olympics, Saturday, Aug. 4, 2012, at St James Park in Newcastle, England. (AP Photo/Chris Clark)

O futebol hondurenho sofreu um choque nesta quinta-feira. Arnold Peralta, 26, meio-campista da seleção do país, foi assassinado a tiros na cidade de La Ceiba, onde nasceu, quando caminhava nos arredores de um centro comercial.

Conhecido no Brasil por ter se desentendido com Neymar após amistoso vencido pela Seleção por 5 a 0 em novembro de 2013, Peralta foi abordado por um homem que passava pelo local de motocicleta e foi vitimado por disparos de revólver.

O corpo do atleta foi encontrado logo em seguida pelas autoridades locais, e a notícia correu o país, causando choque. Os motivos do crime ainda não são conhecidos pela polícia. Honduras é considerado o país mais violento do mundo, já que lidera o ranking de homicídios com 90.4 a cada 100 mil habitantes por ano.

Nascido em 29 de março de 1989, Arnold Fabian Peralta Sosa iniciou sua carreira futebolística no Club Deportivo Vida, de Honduras, em 2008. Originalmente lateral direito, se destacou por lá e foi contratado pelo Rangers, tradicional clube escocês, cujas cores defendeu entre 2013 e 2014. No início deste ano, voltou a seu país natal para vestir a camisa do Club Deportivo Olimpia, de Tegucigalpa.

Seu entrevero com Neymar aconteceu após a citada partida, na qual o brasileiro reclamou de entradas duras dos adversários. Após o jogo, o hondurenho teria ido ao vestiário adversário pedir desculpas ao atacante do Barcelona, mas se deparou com reação intempestiva dele.

Inconformado com a atitude do ex-santista, Peralta veio a criticá-lo duramente depois. “Quis me desculpar, mas ele veio para cima de mim e acabou sendo segurado por alguns companheiros dele. Neymar é um jogador polêmico porque não se pode tocar nele. Qualquer toque que receba, cai, e os árbitros vão na dele. É um jogador que faz teatro, joga para a torcida e não para o seu time”, disse, em 2014.

Após sua morte, o atleta recebeu homenagens do mundo inteiro através de redes sociais. Entre elas, destaca-se a mensagem da Federação Hondurenha de Futebol, Fenafuth. “Lamentamos o profundamente trágico falecimento do selecionado Arnold Peralta, que enluta o futebol nacional.”