Por Elvécio Andrade

Recebi hoje a visita dos amigos Manoel Paulo de Oliveira Neto, o popular Paulinho da ótica, representante da CDL (Câmara de Diretores Lojistas); José Henrique Bolzan Prado, implantador do Estacionamento Rotativo; e Ednardo Guimarães de Castro, atual gerente do Estacionamento Rotativo de Barra de São Francisco/ES.

12141669_1205054539521624_6737900027358727112_n

Entre uma conversa e outra eles falaram da preocupação com as últimas notícias dando conta de que o Ministério Público tinha pedido o fechamento do Estacionamento Rotativo por não estar dentro da legalidade, já que nosso trânsito não é municipalizado.

Na notícia divulgada sem ouvir os representantes do estacionamento, foi afirmado que as pessoas que trabalham no órgão filantrópico não tinham registros em carteiras e estavam trabalhando de forma ilegal. Os visitantes confirmaram a notificação por parte do Ministério Público, mas deixaram claro que atenderam o promotor, deram as explicações necessárias e mostraram que o estacionamento, que presta um relevante serviço social, está cumprindo o que determina a legislação.

Vale destacar, que todo recurso auferido com o estacionamento é utilizado para o pagamento dos funcionários e o que sobra é utilizado na confecção de placas e outras necessidades do órgão, para que possa bem atender aos usuários.

Ao todo, 23 pessoas prestam serviços para o estacionamento. São pessoas carentes, cuja única renda para tratar da família é o salário que ganham. Ao contrário do que foi divulgado, todos estão com suas CTPS devidamente assinadas conforme prevê a legislação trabalhista em vigor.

O Estacionamento Rotativo é auto-suficiente e foi criado para disciplinar o trânsito, já que houve um crescimento muito grande de residências e veículos na cidade, o que tornou o trânsito complicado e estressante em virtude da carência de garagens nos prédios.

No momento o Estacionamento Rotativo está funcionando muito bem, cumprindo o seu papel com o apoio da Prefeitura Municipal, que destina uma pequena contribuição ao órgão. Segundo seus diretores, caso o Estacionamento Rotativo deixe de existir, haverá um problema sério na área social do Município.