marJá se ouviu muito esta expressão de que Mantenópolis está geograficamente em um buraco. Ledo engano, na verdade, depois de Alto Rio Novo, Mantenópolis é de longe bem mais alto do que todas as cidades vizinhas em relação ao nível do mar, comparação esta compreendida entre as cidades de Mantena MG, Barra de São Francisco ES, Central de Minas MG, Cuparaque MG, Pancas ES e Alto Rio Novo.

A altitude tem influência direta no diferencial de pressão atmosférica e de temperatura média, considerando portanto que, quanto maior esta altitude, menor será a pressão atmosférica, e vice-versa. Outra influência na diferença de altitude está relacionada à temperatura, já que em pontos de maior pressão (pontos mais baixos) a incidência de radiação é maior, e em consequência disto, mais calor, sendo os pontos geográficos com menor pressão atmosférica (mais altos) com temperaturas tendenciosamente mais baixas, e também com menor concentração de oxigênio no ar, Estas diferenças porém são significantemente perceptíveis com diferenças acima de 500 metros de altitude. 1 atm é o índice barométrico inicial a partir da linha do nível do mar, ou seja, o ponto de pressão atmosférico máximo. (A pressão abaixo do nível do mar é negativamente oposta, ou seja começa do mínimo em direção ao máximo na superfície do fundo). A pressão abaixo do nível do mar chama-se pressão hidrostática.

Assim como o nome já diz, a pressão atmosférica é a exercida pela atmosfera sobre a superfície da terra, variando de acordo com a altitude. A pressão considerada máxima portanto corresponde a 1 atm. Dados da pressão atmosférica são tecnicamente relevantes para o preparo dos planos de voo bem como previsões meteorológicas. A pressão atm pode ser variável, mas mantêm-se no mesmo índice de diferencial, e esta variação é devida à redução ou elevação do nível do mar em certos pontos geográficos, fenômenos estes por exemplo que alteram o nível das marés. Estas mudanças de pressão atmosférica é uma das formas fantásticas da natureza propiciar as alterações climáticas sazonais e promover a incidência de chuvas, já que esta oscilação ioniza o ar que fica literalmente mais eletrizado. Os pontos com maior altitude são mais propensos à ocorrência de fenômenos atmosféricos tais como raios, trovões e relâmpagos. 

As enchentes em Mantenópolis ES portanto, que ocorrem mesmo tendo a altitude maior do que as cidades vizinhas, deve-se ao fluxo de chuvas torrenciais principalmente na época de transição das estações inverno/verão serem desproporcionais à capacidade de vazão do leito. Podemos observar que, a partir da ponte Alonso Pinheiro, na ES 164 há uma queda acentuada em sentido à São João do Manteninha MG. Dutos adicionais nas cabeceiras redirecionando parte do fluxo poderiam ajudar a sanar em parte tais problemas. Com base em nossa altitude, com as cidades vizinhas bem mais baixas, podemos medir o grandioso valor que tem o nosso rio Manteninha, tão hostilizado (Que aliás, deveria ter o nome do nosso município) que por milhões de anos provavelmente, corre silencioso e perene, e que tem contribuído de forma vital para as edificações da cidade, com uma fonte inesgotável de água e areia de boa qualidade, e possibilitando trabalho e renda à muitos cidadãos, e em razão disto, incrementando diretamente outros segmentos da construção civil.

Se soubermos observar minuciosamente os mais surpreendentes e perfeitos mecanismos naturais que propiciam a condição de sobrevivência das espécies, poderemos entender a grandiosidade de Deus, grandeza tal que meras palavras jamais poderão expressar com tal consistência.

Fonte: Sitemantenópolis