PraçaA Federação do Comércio do ES, através de suas entidades  Senac e Sesc, disponibilizará  cerca de R$ 7,5 milhões em ações diversas para auxiliar na recuperação dos municípios atingidos pelas chuvas.

 A utilização do recurso foi discutida na reunião extraordinária de Conselho da Fecomércio-ES, que contou com a presença dos presidentes sindicais e dirigentes de entidades de classe, que estudam as melhores alternativas para uso do recurso e sua aprovação.

Leia também:

Chuva traz prejuízos para mais de 3 mil moradores de Pancas

Barra de São Francisco soma R$ 35 milhões de perdas por causa das chuvas

Aprovado na Ales cartão “Reconstrução ES” para vítimas das chuvas

Outras ações também serão feitas em forma de materiais e alimentos pelo Sesc, em parceria com a Ceasa, por meio do Programa “Mesa Brasil Sesc-ES/Banco de Alimentos”, em que já foram distribuídos mais de dez toneladas de suco e água mineral às populações atingidas.

“O apoio é para ajudar na situação que vem atravessando o Estado, com as intermitentes chuvas que promoveram os alagamentos na maioria dos nossos municípios, considerados a maior catástrofe natural de toda a história do ES”, diz o presidente do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac, José Lino Sepulcri.

O comércio, de forma geral, também sentiu o peso das chuvas. Perdas em produtos e serviços e que somaram mais de 50% de queda nas vendas no final de ano, e a estimativa inicial de R$50 milhões de prejuízos, no ano passado, atinge aproximadamente R$150 milhões.

Medidas

Para ajudar os empresários e as demais classes empresariais do Estado, como prestadores nas áreas de serviços, turismo, indústria e agricultura, a Fecomércio solicitouao Governo, no dia 27 de dezembro de 2013, em reunião no Palácio Anchieta,  a criação de um fundo, com a inclusão do Fundap Social, para todo o território capixaba com a finalidade de atender com pequenos empréstimos.

“O intuito é dar as empresas, notadamente micro e pequenas, que tiveram perdas totais, um auxílio financeiro para que possam recuperar suas atividades e, assim, estimular a economia com a geração de emprego e arrecadação de impostos”, revela José Lino Sepulcri.

A prorrogação do recolhimento do ICMS também foi solicitada na reunião, em função das chuvas e da paralisação do sistema de transporte coletivo, ocorridos em dezembro do ano passado, mas que interferiram de forma negativa no crescimento do comércio.