26092013_bancada_pmdb_divA bancada da Assembleia tem uma posição política unificada em relação à disputa eleitoral do próximo ano. Diante da tentativa de rolo compressor por parte da direção do partido, impondo uma candidatura própria, os parlamentares tiraram decisão unificada para permanecer no grupo do governador Renato Casagrande (PSB), mas isso não dirimiu as incompatibilidades entre os deputados.

São sete deputados com interesses muitas vezes conflitantes, tanto na atuação parlamentar quanto na disputa por espaço eleitoral. Essas incompatibilidades causam atritos no plenário da Assembleia e podem enfraquecer os deputados no campo político.

Exemplo disso foi o episódio da eleição da presidência da Comissão de Finanças da Casa, em que o partido, com três deputados no colegiado, não conseguiu conquistar a presidência por incompatibilidade entre os membros.

A bancada não consegue unidade no plenário também, muitas vezes votando de forma divergente, sem decisões de bancada. Diferentemente, por exemplo, do que ocorre com o PT, que tem cinco deputados, mas mantém um posicionamento fechado em grande parte das votações de bancada.

Essas incompatibilidades podem enfraquecer o grupo do PMDB na discussão política. Os deputados estaduais se movimentaram na contramão da direção da sigla, que tentou impor uma candidatura majoritária própria na eleição de 2014 sem ampliar o debate com a bancada. O PMDB quer disputar o governo em um palanque alternativo à reeleição do governador Renato Casagrande, tendo o senador Ricardo Ferraço ou o ex-governador Paulo Hartung como candidato ao governo.

Os deputados não concordam com a movimentação, pois entendem que no palanque do governador Renato Casagrande tem mais chances de garantir os espaços políticos. Com sete deputados estaduais é preciso uma acomodação muito boa para a disputa pela reeleição.

Mas sem o entendimento na Assembleia, os parlamentares podem se enfraquecer no debate político, permitindo que o grupo que defende candidatura própria e saída do palanque de Casagrande possa conseguir passar por cima do interesse da bancada.

Além dos atritos na Assembleia, a disputa por votos no ano que vem também podem levar ao desarranjo do grupo. A competição nas bases podem acirrar os ânimos entre os deputados, principalmente em uma eleição disputada na proporcional, como se prevê para 2014.

A bancada do PMDB na Assembleia é formada pelos deputados Marcelo Santos, Hércules Silveira, Luzia Toledo, Solange Lube, Paulo Roberto, José Esmeraldo e Esmael Almeida.