A taxa de inadimplência no Espírito Santo permanece alta, mesmo com a entrada de parte do 13º salário na conta dos devedores, de acordo com dados da Associação de Representantes de Banco do Espírito Santo (Arbes). Ao todo, os cheques sem fundo são 9,5%. Mesmo com a elevação na estatística, a situação não deve atrapalhar nas vendas de Natal.

De acordo com o presidente da Arbes, Jorge Eloy Domingues, o problema será no início do ano que vem. “Não deve atrapalhar o Natal, mas vai atrapalhar no começo do ano que vem. A gente vai ter muita gente endividada. Neste período temos férias, matrícula e material escolar, IPVA”, disse.

Eloy acredita que o pagamento à vista é a melhor forma de evitar o endividamento. “Comprar a vista é a melhor forma de evitar a inadimplência. Primeiro tem que ter o planejamento econômico familiar. Tem que ter cuidado com o endividamento. Se não tiver jeito de pagar à vista parcelar no menor prazo possível”, afirmou.

O impacto mais significativo causado pelo alto número de pessoas inadimplentes, pode ser percebido nos preços dos produtos. Como os comerciantes não recebem os pagamentos e precisam pagar os impostos, embutem a quantia no valor da mercadoria vendida, o que atinge diretamente a economia do Estado.