O 3º Encontro da Formação Agente Cultura Jovem trouxe para o centro do debate as perspectivas na elaboração de um projeto cultural. Desta vez o grupo se reuniu nos dias 05 e 06 de novembro em Viana, no Teatro Municipal, conhecendo um pouco mais desta tão bela cidade da região metropolitana de Vitória. Contribuíram como mediadores a professora Monica Ferri, o subsecretário de Estado da Cultura Erlon Paschoal, além da imprescindível vivência artístico-cultural propiciada pelo Agente Edward Marily, que enriqueceu a programação do encontro com o seu projeto multisensorial.

Os questionamentos e reflexões foram um fator aglutinador neste encontro a partir do exemplo dado pela agente Gabriela Bispo. “Em Mucurici nós temos uma iniciativa que visa aproveitar o couro da tilápia para fazer artesanato”. Ao impressionar o grupo e gerar toda sorte de piadas e canções, Gabriela mostrou como boas idéias podem fazer uma diferença danada. E foi com base nestes termos que a professora Monica Ferri conduziu o grupo: o importante é fazer com que a idéia tão original encarcerada em nossas mentes se traduza em letras no papel, se torne um projeto, com possibilidade real de ser executado, visto. De acordo com Ferri, um projeto possui etapas que precisam ser cumpridas até a entrega final. “Mais de 60% dos projetos falham por conta de alguns pontos que com melhor planejamento seriam facilmente resolvidos, tais como: estimativa de tempo incorreta, má definição de orçamento e desconhecimento dos objetivos por parte dos participantes”, pontua.

Gerenciar um projeto pressupõe uma melhora na tomada de decisões, otimizar recursos, tempo e formar boas equipes com objetivos únicos. Detalhar muito bem o projeto é importante para garantir que não ajam dúvidas. Além disso, guardar uma memória de cada ação executada é um ótimo exercício, a fim de compreender melhor as lições (boas e ruins) que foram apresentadas.