Aspirina infantil diminui risco de câncer de ovário, mostra estudo

Imprimir
Compartilhar
Atualizado em 11 de outubro de 2018
Estefani Kely Helmer


Baixa dosagem diminui inflamações na tubas, que favorecem doença; médico ressalta que ainda se trata de estudo e medicação não deve ser utilizada

Uso de aspirina infantil foi associado à menor risco de câncer de ovário

Uso de aspirina infantil foi associado à menor risco de câncer de ovário

Pixabay

Um estudo publicado na JAMA Oncology, revista científica da American Medical Association, associou o uso contínuo de aspirina infantil à redução do risco de câncer de ovário.

O estudo foi realizado por pesquisadores da Escola de Saúde Pública de Harvard, com o Brigham and Women’s Hospital e Moffitt Cancer Center, nos Estados Unidos.

Eles acompanharam cerca de 200 mil mulheres ao longo de 25 anos que tomavam aspirina infantil, aspirina de dosagem normal e outros anti-inflamatórios. Dentro desse grupo foram observados 1.054 casos de câncer de ovário.

Leia também: Quatorze tipos de câncer estão associados à obesidade

Como resultado final da pesquisa, foi constatado que mulheres que usavam diariamente a aspirina infantil — 100 mg ou menos — tiveram uma redução de 23% no risco de câncer de ovário, enquanto as que tomavam aspirina de dosagem normal, não. Já as que não usavam aspirina, mas sim anti-inflamatórios não-esteróides (AINEs), apresentaram um risco 19% maior de desenvolver a doença.

Leia também: Perder peso após menopausa reduz risco de câncer de mama, diz estudo

“O que realmente diferenciou este estudo foi que fomos capazes de analisar a aspirina em baixas doses separadamente da aspirina em dose padrão. Os resultados enfatizam que se deve considerar a dose de aspirina”, afirmou Mollie Barnard, que liderou a pesquisa, no site da Escola de Saúde Pública de Harvard.

O ginecologista Jesus Carvalho, presidente da Comissão Nacional de Ginecologia Oncológica da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), afirma que as inflamações crônicas nas tubas uterinas, causadas pela ovulação, favorecem o aparecimento do câncer de ovário e o anti-inflamatório agiria para diminuir essas inflamações. “É uma descoberta recente e vale a pena prestar a atenção nos desdobramentos dessa pesquisa, pois pode trazer inúmeros avanços”, afirma.

A pesquisa ressalta que estudos têm relatado ainda a associação entre um número maior de ciclos ovulatórios ao longo da vida e o risco de câncer de ovário.

Leia também: Estudo mostra que tomar aspirina todo dia tem risco para pessoas mais velhas

Carvalho alerta que o medicamento não deve ser usado de maneira indiscriminado por conta de uma evidência científica. “A aspirina não é recomendada para todas as pessoas. O uso contínuo desse medicamento é recomendado para pessoas com hipertensão, com risco de infarto, e com colesterol alto, pois afina o sangue. Se usado incorretamente, pode provocar sangramentos indesejados de úlceras ou aumentar o volume de sangue durante a menstruação”, explica o médico.

 

 

Clique aqui e compartilhe com seus amigos do Facebook

Veja outras matérias sobre: Brasil, Geral, Saúde e Bem Estar,