Pancas e outras 6 cidades do ES não atingiram a meta nacional de vacinação

Imprimir
Compartilhar
Atualizado em 13 de setembro de 2018
Caroline S. Menezes


O término da Campanha Nacional de Vacinação, que será neste sábado dia 15, apresenta no ES um quadro onde sete dos 78 municípios capixabas, ainda não atingiram a meta. O ministério da Saúde, divulgou na última quarta-feira (12) a listagem dos municípios do ES que ainda faltam cumprir a meta.

Os municípios que faltam chegar a meta de vacinação são: Divino São Lourenço, Governador Lindenberg, Itarana, Pancas, Santa Leopoldina, São Roque do Canaã e Venda Nova do Imigrante. A meta nacional é vacinar 95% das crianças de um a menores de cinco anos contra o sarampo e a poliomielite.

Com os dados preliminares do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização (SI-PNI), alimentado pelos estados, apontam que o estado do Espírito Santo vacinou 101,59% do público-alvo contra a pólio e 101,22% contra o sarampo. Segundo o ministério da Saúde, Vitória registrou uma cobertura acima de 100% das crianças vacinadas, e em todo o estado, já foram aplicadas mais de 409,347 mil doses das duas vacinas.

Nível nacional

Na média nacional de vacinação que está em 94%, até o momento foram aplicadas em todo país cerca de 20,8 milhões de doses das vacinas (10,4 milhões de cada). Onze estados e mais de 4 mil (72%) municípios atingiram a meta. Mas cerca de 1.500 cidades ainda devem buscar alternativas para vacinar 95% do público-alvo até a sexta-feira (14), quando se encerra a Campanha Nacional de Vacinação.

Na faixa etária de 3 e 4 anos, a cobertura vacinal está acima da meta, com 96,95% e 95,44%, respectivamente. A maior preocupação é com faixa de um ano de idade, cuja cobertura ainda está em 85,45%.

Importância

As vacinas estão disponíveis nas 539 salas de vacinação das Unidades de Saúde do Espírito Santo, desde o dia 6 de agosto,. Segundo a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), o ES não registra casos de sarampo há 18 anos. O último foi em 1999.

Para prevenir a poliomielite, as crianças devem ser vacinadas aos dois, quatro e seis meses com a vacina injetável (VIP), e depois aos 15 meses e 4 anos de idade com a vacina oral (VOP). A poliomielite está erradicada no Brasil desde 1990, mas existem casos em países da África e Ásia, por isso, é fundamental manter alta a cobertura vacinal para evitar o retorno da doença ao país.

O sarampo é uma doença infecciosa aguda, de natureza viral, grave, transmitida pela fala, por tosse e espirro, e extremamente contagiosa, mas que pode ser prevenida pela vacina. Pode ser contraída por pessoas de qualquer idade. As complicações infecciosas contribuem para a gravidade da doença, particularmente em crianças desnutridas e imunocomprometidas.

De acordo com o Ministério da Saúde, atualmente, o país enfrenta dois surtos de sarampo, em Roraima e Amazonas. Além disso, alguns casos isolados e relacionados à importação do vírus foram identificados em São Paulo, Rio Grande do Sul, Rondônia e Rio de Janeiro.

Nota da Secretaria Estadual de Saúde

A Campanha Nacional de Vacinação Contra Sarampo e Poliomielite foi encerrada e a prorrogação foi orientada pelo Ministério da Saúde apenas para os municípios que não atingiram a meta, com término no dia 14 de setembro. Cada município é responsável por definir a sua estratégia para alcance da meta”.

Clique aqui e compartilhe com seus amigos do Facebook

Veja outras matérias sobre: Destaques, Geral, Região,