Greve da PM: mulheres de policiais serão interrogadas nesta 6ª feira

Imprimir
Compartilhar
Atualizado em 28 de junho de 2018
Edmilson Batista


4ª Vara Criminal de Vitória | Foto: TJES

Quatorze mulheres serão interrogadas, nesta sexta-feira (29), pela Justiça na 4ª Vara Criminal de Vitória. A maioria delas é acusada de envolvimento na greve da Polícia Militar (PM), em fevereiro de 2017.

Será uma audiência de instrução, que é uma sessão pública que conta com a participação de todas as partes do processo: como réus, advogados e testemunhas.

A audiência acontece na sexta-feira, a partir das 8 horas, e será presidida pela juíza Gisele Souza de Oliveira. Serão 14 rés, a maioria é acusada de atentado contra a segurança pública, incitação ao crime e organização criminosa.

O caso foi desmembrado em dois processos, núcleo dos policiais militares, com dez réus, e o núcleo dos familiares, este núcleo que será interrogado durante a audiência.

Movimento político

Há também um movimento político em torno disso. Os policiais que foram expulsos da corporação vão apresentar nesta quinta-feira (28) um projeto de iniciativa popular para anistia aos militares, que seria uma espécie de perdão dos delitos. Até agora, 17 militares foram expulsos da corporação por envolvimento na greve, e militar não pode fazer greve.

No projeto, a PM alega que constitucionalmente tem muita responsabilidade social, e que os militares acabaram ficando com apenas um terço dos direitos trabalhistas. Os PMs destacam que o Estado possui obrigações, que segundo eles, não foram cumpridas. Um dos exemplos citados por eles é o fato de o governo não ter realizado, por três anos consecutivos, a revisão geral dos servidores, o que causou descontentamento da categoria.

A Secretaria de Segurança Pública (Sesp) informou que não vai se manifestar sobre o assunto.

* Com informações do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES)!

Clique aqui e compartilhe com seus amigos do Facebook

Veja outras matérias sobre: Destaques, Estado, Polícia,