Brasileiro preso na Rússia é capixaba, confirma advogado

Imprimir
Compartilhar
Atualizado em 28 de junho de 2018
Diego Vinícius


O Ministério das Relações Exteriores, o Itamaraty, disse na segunda-feira (25), que Rodrigo iria receber uma visita consular, mas não tinha previsão de quando a extradição iria acontecer.

Rodrigo Denardi Vicentini, capixaba preso na Rússia (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)

Por Viviane Machado, G1 ES

O brasileiro preso na Rússia, durante um jogo da Seleção na Copa do Mundo, é capixaba e morador de Vila Velha, no Espírito Santo. Rodrigo Denardi Vicentini, de 31 anos, estava sendo procurado por participar de um roubo a uma agência dos Correios em Itarana, em março de 2017.

Nesse processo, de acordo com informações do site da Justiça Federal do estado, Rodrigo não possui advogado constituído.

O advogado de um dos comparsas de Rodrigo confirmou que ele é capixaba e morava em Vila Velha. Além disso, o advogado, que pediu para não ser identificado, disse que o cliente dele está preso respondendo por esse crime.

O Ministério das Relações Exteriores, o Itamaraty, disse na segunda-feira (25), que Rodrigo iria receber uma visita consular, mas não tinha previsão de quando a extradição iria acontecer.

Nesta terça-feira (26), o órgão foi procurado novamente para atualizar o caso, mas ainda não deu retorno à reportagem.

Prisão durante o jogo do Brasil

Rodrigo foi preso no estádio Krestovsky, em São Petersburgo, onde o Brasil venceu a Costa Rica por 2 a 0 pela Copa do Mundo da Rússia.

Segundo a Polícia Federal, ele tinha mandado de prisão preventiva expedido pela 1ª Vara Federal Criminal do Espírito Santo por suspeita de participação no roubo de uma agência dos Correios em 22 de março de 2017.

Ao ser preso, o brasileiro, Rodrigo Denardi Vicentini, portava um passaporte italiano, informou a PF. Ele tinha o nome na chamada lista de difusão vermelha de procurados pela Interpol, a polícia internacional, o que teria permitido a prisão na Rússia.

Os policiais federais que prenderam o acusado integram o grupo enviado para o Centro Internacional de Cooperação Policial, em Moscou, e atuam nos estádios onde o Brasil joga.

Segundo os investigadores da PF, o homem preso é um dos três que levaram mais de R$ 26 mil da agência dos Correios em Itarana. No mesmo dia, eles teriam tentado assaltar outra agência dos Correios, no município de João Neiva, também no Espírito Santo.

Clique aqui e compartilhe com seus amigos do Facebook

Veja outras matérias sobre: Destaques, Polícia, Região,