Câmara de Nova Venécia quer criar mais três cargos comissionados

Presidente da Comissão de Justiça e Legislação já deu parecer favorável à criação dos “cabides de emprego”

Imprimir
Compartilhar
Atualizado em 20 de abril de 2017
Luiz Carlos Moreira (Rei)


Encabeçada pelo vereador presidente da Câmara de Nova Venécia, Antonio Emílio, a Mesa Diretora da Casa de Leis, iniciou nesta terça-feira (18) uma discussão sobre a criação de três novos cargos comissionados. Além do presidente Antonio Emílio, a Mesa Diretora é composta pelos vereadores Cabo Tikeira (vice-presidente), Dejanir Dias (1º Secretário) e Mir de Guararema (2º Secretário).

O projeto já foi encaminhado para análise da Comissão de Justiça e Legislação e o relator, vereador Luciano Márcio, emitiu parecer favorável pela criação dos novos cargos de “cabide de emprego”. Os salários chegam a quase R$ 3.000,00, além do vale alimentação. O projeto prevê a criação de três cargos em comissão, ou seja, sem concurso público.

A proposta do presidente chega num momento conturbado da administração municipal que desde 2009 não consegue realizar a reposição salarial dos servidores públicos.

Vale ressaltar que a Câmara de Vereadores de Nova Venécia já possui um quadro excessivo com 24 pessoas lotadas em cargos de comissão, o que entre salários e encargos somam uma despesa de quase R$ 1 milhão por ano. Além disso, a Câmara de Nova Venécia conta com mais 18 servidores efetivos.

O vereador Ronaldo Barreira, que presidiu a Câmara por dois anos na gestão anterior, se mostrou indignado com a medida da atual Mesa Diretora. “Isso é um tapa na cara da população. Estive à frente desta Casa de Leis por dois anos e vi que não tem necessidade de criar mais cargos em comissão. O quantitativo de servidores atualmente é mais do que o suficiente para as demandas administrativas e políticas da Câmara. Sou contra essa agressão que estão fazendo com os venecianos e vou lutar até o final para que isso não aconteça”, disse o parlamentar. A vereadora Gleyciária Bergamim também se posicionou contra.

Os vereadores que defendem a criação dos cargos, embasados em interesses pessoais, terão que arcar com o desgaste popular, já que o cenário político atual em todo o país não é favorável. Além disso, uma ação como esta, diante da atual crise financeira, tem deixado trabalhadores do município revoltados.

Recentemente, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo julgou inconstitucional a criação de cargos em comissão pela Câmara daquela localidade.

Momento conturbado

Recentemente o presidente Antonio Emílio também anunciou vontade de fazer uma reforma na estrutura física da Casa de Leis com a criação de mais salas para os parlamentares. A medida foi imediatamente repudiada pela população que mais uma vez se mostrou indignada.

Clique aqui e compartilhe com seus amigos do Facebook

Veja outras matérias sobre: Destaques, Geral, Manifestações, Política, Região,