ES: homem que pediu para ser preso recebe propostas de emprego

Imprimir
Compartilhar
Atualizado em 7 de Janeiro de 2017
Diego Vinícius


Por Laila Magesk / A Gazeta

O homem que foi até o 12º Batalhão da PM, em Linhares, Norte do Espírito Santo, e pediu para ser preso conseguiu um serviço temporário e recebeu propostas de emprego, nesta quinta-feira (5). Ele também está recebendo doações.

O caso foi registrado na tarde da última sexta-feira (31). Um vídeo que mostra ele pedindo para ser preso chegou a circular nas redes sociais.

Pai de dois filhos, desempregado e morando com a família de favor na casa do irmão, Alex Rodrigues de Aguiar, de 23 anos, disse que agiu em um momento de desespero.

Depois do vídeo circular na internet, ele disse que recebeu diversas propostas e ajudas.

“Tem bastante gente me ligando. Ontem (quinta) fiz um bico de segurança em uma boate de 11h da noite até as 6h da manhã. Vou trabalhar hoje à noite e amanhã (sábado) também. Já trouxeram bastante coisa. As pessoas estão me ajudando com cesta básica, fralda e dando dinheiro. Umas falam para eu ir buscar, outras pedem meu endereço”, contou Alex Rodrigues de Aguiar, de 23 anos.

Nesta sexta-feira (6), ele foi levar os documentos em uma empreiteira que presta serviços para o Departamento de Estradas de Rodagens (DER-ES).

“Estou com uma proposta de emprego para trabalhar na estrada. Nunca trabalhei com isso, mas vou aprender. Já tirei a xerox dos meus documentos. Falaram que o salário vai ser R$ 980 e tem tíquete de alimentação. Estou feliz”, comemorou.

A oportunidade surgiu após o auxiliar administrativo da empresa Rodocon, Higor Neves, de 22 anos, ouvir a história de Alex.

“Eu tinha visto a história dele e o meu chefe também chegou falando sobre o caso. Como eu já tinha conseguido o contato do Alex, meu chefe mandou o rapaz vir. Hoje, ele veio aqui e trouxe os documentos. Ele vai trabalhar como servente na conservação de estradas. O cara precisa estar muito desesperado para ir à delegacia e pedir para ser preso. A história dele me comoveu muito”, falou.

O encarregado geral da empresa, Eurieudes Pereira de Souza, de 47 anos, disse que em 10 dias Alex deve começar no novo emprego. “Agora só depende dele. O emprego é o que podemos oferecer de imediato”, disse.

Casa
Alex mora com a esposa e os dois filhos em uma casa emprestada pelo irmão dele, mas precisam deixar o imóvel. A família fez um cadastro e espera uma moradia no bairro Santa Cruz, porém ainda não conseguiu.

O órgão responsável entrou em contato com Alex e pediu para que fosse atualizar o cadastro. “A mulher da habitação me ligou para fazer entrevista em relação ao cadastro. Se saísse, ia ser bem melhor também. Falaram para eu ir mais rápido possível. A minha vida já está melhorando”, comemorou Alex.

Homem que foi a batalhão pedir para ser preso diz que ‘agiu no desespero’

Samira Ferreira / A Gazeta

Pai de dois filhos, desempregado e morando com a família de favor na casa do irmão, Alex Rodrigues de Aguiar, de 23 anos, disse que agiu em um momento de desespero ao procurar a Polícia Militar e pedir para ser preso em Linhares, no norte do Espírito Santo.

O caso foi registrado na tarde da última sexta-feira (31). Um vídeo que mostra ele pedindo para ser preso chegou a circular nas redes sociais.

“Desempregado, família para sustentar, morando de favor. Aí aconteceu que deu uma doideira e eu fui lá e pedi para ser preso. Para eu ficar quieto, pelo menos eu ficava num lugar quieto, sem precisar de ninguém. Mas, infelizmente, eles não quiseram me prender”, desabafou.

Alex contou que o policial verificou a ficha dele e disse que não poderia prender um inocente. “Olhou a minha ficha, viu que não devia nada para a Justiça. Falou que não podia me prender porque não podia prender inocente. Pedi para me ajudar me prendendo, ele falou que não podia e que era para eu ir para casa”, contou.

Alex tem consciência de que não é bom estar preso. “Não tem muita vantagem estar preso, porque o que eu vejo os outros falando, cadeia não é lugar bom, não. Mas em vista do que eu estou passando, achava que lá seria melhor. Desemprego, conta para pagar, tudo dá errado. Logo, logo, também, geladeira vazia”.

Desempregado, jovem que implorou para ser preso agiu no desespero (Foto: Samira Ferreira/ A Gazeta)Desempregado, jovem que implorou para ser preso agiu no desespero (Foto: Samira Ferreira/ A Gazeta)

A esposa de Alex, Jéssica Brito de Carvalho, disse que ficou preocupada com a atitude do marido de procurar a polícia. “Fiquei preocupada dele fazer alguma coisa, arrumar uma confusão para poder ser preso. Ele falou que ‘pelo menos eu estando preso, você vai receber alguma coisa porque a vida dos presos está melhor que a da gente aqui fora, passando necessidade'”, contou.

De acordo com Jéssica, a atitude de Alex foi criticada por algumas pessoas. “Fiquei triste porque teve muita gente que julgou ele, falando que ele estava drogado, bêbado, mas ele não estava. Ele já pediu ajuda a muita gente e ninguém está pronto para ajudar”.

Alex trabalhava como motoboy entregando gás e foi dispensado há cinco meses. Desde então, estava recebendo o seguro-desemprego, mas o benefício acabou. Hoje, ele, a esposa e os filhos de 1 e 3 anos sobrevivem com menos de R$ 200 por mês. Jéssica também está desempregada.

“A gente está vivendo com o Bolsa Família, R$ 167 que a gente recebe por mês. De vez em quando, eu faço um bico de segurança na lagoa dia de domingo, carrego uma terra, alguma coisa assim. O que aparecer, eu faço”.

Sem emprego, o casal ainda tem outra preocupação. A família terá que devolver a casa em breve porque o irmão de Alex vai precisar do imóvel. Jéssica disse que fez um cadastro para conseguir uma casa no bairro Santa Cruz, mas até hoje não conseguiu. “A gente fez o cadastro há mais de três anos e nada de sair”.

Clique aqui e compartilhe com seus amigos do Facebook

Veja outras matérias sobre: Destaques, Geral, Polícia, Região,