Com uso de câmeras, fiscalização em estradas deve aumentar nos próximos meses

Imprimir
Compartilhar
Atualizado em 28 de março de 2015
Rafael S. Lima


Com a publicação da Resolução 471, em dezembro de 2013, o CONTRAN regulamentou e autorizou a utilização das câmeras de monitoramento para fiscalização de infrações dinâmicas em rodovias. Nas rodovias administradas pelo Poder Público, os efeitos da nova norma não serão sentidos entre os condutores que cometem infrações de trânsito, tais como ultrapassagens ou trânsito pelo acostamento. A precariedade da conservação e vigilância eletrônica inexistente nas rodovias “públicas” é marca registrada da administração de vários governos, em todo o Brasil.

dfafdafs-267x300

De acordo com Claudemir Nunes, proprietário da da autoescola Stefany, em Barra de São Francisco, infrações como ultrapassagens perigosas e trânsito pelo acostamento serão, sem dúvida, o principal alvo de fiscalização eletrônica.  Claudemir lembra que em qualquer lugar do mundo, mesmo onde a educação é mais avançada, o respeito às leis de trânsito apenas ocorre quando o condutor possui a sensação de que seu ato pode ser flagrado e punido a qualquer momento. E no Brasil, com o déficit de agentes em ação de fiscalização, a sensação de impunidade é grande. O condutor sabe que se praticar uma ação perigosa no trânsito, as chances de ser flagrado são pequenas.

“É comum avistarmos condutores que cometem as mais variadas infrações durante o percurso e, ao se aproximarem de viaturas e postos policiais, se comportam como cidadãos exemplares, conduzindo seus veículos na ponta dos dedos para não chamarem a atenção dos órgãos de fiscalização. Com a fiscalização por meio de câmeras, o mau condutor ganha contra si mais um elemento de vigilância e deve ficar atento. Por isso ensinamos todos os dias que o condutor deve ser prudente e obedecer as leis de trânsito, mesmo longe da fiscalização”, diz Claudemir.

O cenário muda radicalmente quando o assunto é rodovia privatizada, isto é, concedida para a iniciativa privada. Apesar do alto valor dos pedágios, o sistema de monitoramento praticado pelas empresas em rodovias sob concessão possui padrões de primeiro mundo e hoje as câmeras conseguem monitorar quase que toda a malha concedida. Os diferentes órgãos policiais, responsáveis pela segurança desta malha viária concedida, possuem à sua disposição todos estes equipamentos de vigilância e lançarão mão desta alternativa de fiscalização com objetivo de inibir práticas danosas à segurança do trânsito.

“Para que se concretize o previsto no § 2º do artigo 280 do Código de Trânsito Brasileiro, o agente fiscalizador deverá constar no auto de infração a forma de constatação da irregularidade flagrada, isto é, no campo observações da multa, constar que a fiscalização ocorreu por meio de videomonitoramento. As rodovias deverão possuir sinalização alertando os condutores sobre a fiscalização policial através de câmeras”, destaca Claudemir, que também é estudante de direito.

Clique aqui e compartilhe com seus amigos do Facebook

Veja outras matérias sobre: Destaques, Geral, Região,